image

Dra. Ellen Carvalho é médica formada pela UFU – Universidade Federal de Uberlândia. Especialista em Ginecologia pela UFTM Universidade Federal do Triângulo Mineiro.

Posts recentes
Search

Blog

5 verdades libertárias a respeito do orgasmo com penetração

1 – A maioria das mulheres não tiveram (ainda) o orgasmo por penetração.

Portanto, se você faz parte desse grupo, não desanime, não se sinta “menos” mulher ou uma pessoa com prazer “menor”. Estima-se que 70% das mulheres alcançam o orgasmo por estimulação clitoriana e sexo oral. E existem também outros tipos de orgasmos (por vezes relatados até como mais intensos por algumas pacientes) como por estimulação dos mamilos e penetração anal.

2 – É mais fácil mesmo ter orgasmo com estimulação clitoriana do que por penetração.

Isso é cientificamente explicável! O clitóris é extremamente sensível, possui mais de 8 mil terminações nervosas, (o pênis só tem a metade disso) e a vagina não é tão sensível assim. Enquanto a finalidade do clitóris é unicamente dar prazer, a da vagina além de receber o sêmen para que ocorra a fecundação, também “expulsa” um feto por esse trajeto de parto. Já pensou quanta dor seria se a vagina fosse tão inervada e sensível quanto o clitóris? Outro fator muito importante é que o clitóris é externo, facilmente acessível… até um amasso mais apertado, ou um carinho por cima da roupa já dá um “choquinho”. Agora a vagina… É interna, geralmente inacessível, ou melhor, inacessada, pelas mulheres. Se a maioria de nós já sente culpa ou vergonha de encostar no próprio clitóris, imagina introduzir um dedo dentro da própria vagina para descobrir se existe ou não o tal ponto G? Ou seja, a vagina não é comumente estimulada e as suas paredes não fazem parte da consciência corporal da maioria das mulheres.

 

3 – A importância do orgasmo por penetração no imaginário feminino e masculino foi introduzida por Freud e é altamente questionável hoje em dia!

Ele  dizia que a  mulher sexualmente madura deveria ter orgasmo com penetração.  Gente… e o resto? a boca, as mãos, o cheiro, o abraço ou amasso? O clitóris!!!! Será que essa obrigação de  orgasmo por penetração não está  aprisionando homens e mulheres numa ideia machista (somente um “pau” pode fazer uma mulher gozar) que  impede  ambos de serem felizes? A obrigação cultural do orgasmo por penetração por vezes, leva mulheres a fingirem e enganarem seus parceiros. Outro questionamento é a apresentação de um sexo surreal nos filmes onde uma mulher perfeita e um homem  maravilhoso possuem orgasmos simultâneos por penetração!!! Cena linda, mas que cria um padrão, por vezes, inatingível de sexualidade.

 

4 – Orgasmo por penetração não é um orgasmo maior ou mais intenso  em relação aos outros que existem.

É apenas um dos vários tipos que uma mulher pode ter.  As áreas do cérebro, os neurotransmissores liberados nessa hora são os mesmos. O que geralmente faz a diferença na intensidade do orgasmo, é a quantidade de emoção (paixão, afeto, fantasia, desejo) envolvida na situação que está sendo vivida e não o gatilho desencadeador do clímax.

 

5 – O orgasmo  pode ser aprendido e estimulado.

A mulher pode passar por um processo de amadurecimento emocional, com libertação  de tabus e  mitos, conhecendo, estimulando e dominando seu próprio corpo,  e assim alcançar os vários tipos de orgasmo, incluindo por penetração. Bora começar ???

 

Veja o próximo post: 

7 Segredos para você começar a ter orgasmo com penetração.

 

 

 

Dra. Ellen Carvalho

Ginecologista especialista em Cirurgia Plástica íntima.

Atendimento em Uberlândia e Brasília.

 

 

Leave a Reply